Notícias

01.06.16 | TRAC Comunicação

Coluna do Xermi

EM FAMÍLIA

O Clube de Pais é formado por grandes amigos. Mas mais que isso, algumas pessoas lá dentro possuem laços familiares. Foi aí que me surgiu uma dúvida: quantos atletas que jogam hoje têm parentes que também jogam?

Após algumas análises estatísticas, dúvidas tiradas com o MM, grupos de Whatsapp, etc., cheguei a conclusão desse número, que está no final desse texto, caso você não queria ler a coluna toda (sugiro que leia, pois não tem graça saber só o número, o legal é saber quem são as pessoas). Caso você queira ver as fotos das pessoas que citarei aqui, basta acessar as páginas dos times dentro do nosso site, OK?

Vamos lá, começando com o básico: famílias com 2 pessoas no Clube. O atleta Mateus Bonetto do Angers é filho do Wilmar do Mônaco (até aí tudo bem, os dois entendem de bola). Pedro Rossi do Angers é filho do Zamorano do Nantes (um é zagueiro e o outro é atacante; um está na posição certa e o outro na errada; vamos ver qual deles se toca primeiro e muda kkkkkk). Alessandro Ravazzani do Bordeaux é tio do Daniel Ravazzani do Lille (ambos jogam com marcação pesada, fato que são da mesma família). Assunça do Bordeaux é irmão do Joma, do Saint-Etiénne (essa conexão eu sei que é estranha, pois o Assunça é muito mais técnico que o Joma, que joga apenas na base do sarrafo e cartão amarelo; mesmo assim ele tem 3 gols já no ano).

Continuando: Eduardo Gomes do Bordeaux é pai do Rodrigo Molinari, também do Bordeaux. O Professor Néris do Lille é pai do Kadu, também do Lille (pelo que sei o Kadu não quis seguir o caminho do pai como gênio da física, preferindo ser baladeiro). Tuyuty do Bordeaux é pai do Tuy, do Toulouse. Ambos são atores também (Tuyuty faz peças teatrais e o Tuy já apareceu no programa “O Último Passageiro”, da RedeTV; é sério isso; quem assiste esse troço? Kkkkkk). Jefico do Lyon é pai do André Pelúcio, também do Lyon.

Marcelo Dreher e Gabriel Dreher, ambos do Lorient, são pai e filho. Também inventaram o uísque Dreher, o qual já tomei muito no Victoria Villa (a parte do uísque é fake). João Guilherme do Lorient é parente do Diogo, do Angers. Não sei se são cunhados, irmãos, meio-irmãos, primos de 3º grau, sei que tem parentesco. Mais fácil que saber essa conexão é impossível: Hayashi do Lyon é pai do Hayashy Jr do Nantes. Ambos são baixinhos e usam armadura de samurai ao invés de caneleiras.

Oscarzinho do Lyon é pai do Felipinho, do PSG. Dividem uma técnica invejável com a bola nos pés e o copo de cerveja na mão. O mesmo acontece com Claudimir do Nice, que é pai do Parazinho do Saint-Étienne: bola no pé, cerveja na mão. O mesmo acontece com o Roberto Singer, que é pai do Matheus Singer, ambos do Nice: bola no pé, cerveja na mão. Esse pelo jeito é o parágrafo da bola e da cerveja.

Seu Zé do Mônaco é pai do Jorge Galã, do Nice. Mauri do Nice é pai do Guilherme Séer, do Olympique. Mugnaini do Nice é irmão do Wilson, do Uruguai (ops, Saint-Étienne). O Ângelo do PSG é primo do Gulin, da URBS (ops, Nantes). Dizinho, vulgo Comendador, do PSG, é irmão do Di, do Saint-Étienne. Ambos são da família Digiovani, que sabe muito de futebol. René do PSG é pai do Belém do Toulouse. Léo Sá é filho do Luis Sá, ambos jogam no Saint-Étienne. Esse é o típico caso de que o pai é melhor que o filho.

Agora vamos a uma família que tem 3 conexões, os Rossilho: Pisca, do Toulouse, é irmão do Gregório, do lanterna (ops, Lille). Os dois são filhos do Betão, do Lyon. Outro típico caso que o pai é melhor que os filhos!

Por fim, temos uma família com 5 conexões e a outra com diversas. Começamos pela família Maranhão que tem muita tradição no Clube de Pais: Zé Neto do Angers é filho do Maranhão, do Olympique. Wagner e Edu Bittencourt, também do Olympique, são genros do Maranhão. E o Gutierrez, do PSG, é sobrinho do Maranhão. Quanto Maranhão nesse parágrafo!

A grande família é formada pelos Caneppele/Ribeiro/Pasinato/Socher/Tedesco, e a conexão principal entre essas famílias está em uma pessoa que não joga (mas está presente no Clube, na Cantina do Guerrreiro), a Carol (Pity) que é namorada do Vini, do Lyon e irmã do Pasinato, do Toulouse. O Vini é filho do Tadeu, também do Toulouse. Jack do Lille e Júnior Polaco do Lyon são irmãos. Eles são primos do Vini e sobrinhos do Tadeu (óbvio).

Tem mais: Cris do Nantes é filho do Didi, também do Nantes. Didi é sogro do Du, que também joga no Nantes. Du é irmão do Nato (advinha em que time ele joga? Sim, Nantes). Du e Nato são irmãos do Tampa (joga no Mônaco, escapou da barca furada kkkkkkkk). E Du, Tampa e Nato são primos da Carol (Pity) e do Pasinato, aquele que do início do parágrafo que você nem lembra mais de quem é irmão, kkkkkkk. O último dessa família é o Gebara, do Olympique: ele é cunhado do Júnior Polaco.

Beleza Xermi, mas quantas pessoas afinal tem família no Clube de Pais? São 61 associados jogando com parentes atualmente. O principal: todos jogam com amigos! Se por acaso eu esqueci de alguém, escreve aí nos comentários pra eu saber!

Xermi

« Voltar para Notícias
Deixe seu Comentário